mulher tirando selfie com apolo 11 na nasa de houston em sua primeira viagem sozinha

como a minha primeira viagem sozinha me libertou + 3 dicas essenciais e 1 checklist pra sua primeira viagem sozinha

minha primeira viagem sozinha foi um marco na minha vida, que aos olhos dos julgadores de plantão, foi uma maluquice da minha parte.

quando fiz essa viagem eu já era mãe. meu primeiro filho tinha 4 anos, e o segundo, 1 ano e 7 meses.

“como uma mãe de dois bebês larga os filhos por 12 dias e vai viajar sozinha?” – já posso ouvir o pensamento de muita gente por aí!

a minha primeira viagem sozinha foi pra houston, nos eua, um destino que já estava na minha lista há muito tempo.

na época, eu fazia os meus quilts, que pra quem não conhece, é um tipo de arte têxtil muito famosa mundo afora, mas ainda pouco conhecida aqui no brasil.

e é em houston que acontece todos os anos o festival internacional de quilts.

mulher sentada em frente a um touro de plástico, com quilts no fundo, no festival internacional de quilts em houston, em sua primeira viagem sozinha

o ano era 2017, e justamente um mês antes da data da minha viagem, passou o furacão harvey em houston que destruiu a cidade toda.

imagina a minha ansiedade.

a viagem já estava toda paga e ela foi literalmente uma cocriação minha com o universo. a chance de dar certo era zero, mas a minha vontade de viajar sozinha era tão grande, que eu fiz acontecer, mesmo sem dinheiro, com dois filhos bebês, um marido trabalhando sem condições de tirar férias pra ficar com as crianças, e um furacão que destruiu a cidade.

como eu me organizei pra minha primeira viagem sozinha

com tantos desafios pela frente pra fazer essa viagem acontecer, eu precisei ser muito organizada no planejamento e acionei a minha rede de apoio. sem rede de apoio, era impossível dar certo.

houston é um destino incomum, não é um lugar super turístico dos eua, e por isso as passagens aéreas são caras. na época não tinha vôo direto, e era uma viagem longa, com três conexões até chegar lá.

a primeira coisa que eu fiz foi usar todas as milhas que eu tinha e pedi as milhas do meu pai. ele viaja muito a trabalho e sempre tem muitas milhas. isso ajudou demais. consegui comprar as passagens aéreas praticamente apenas com milhas.

pra mim, passagem aérea comprada é viagem garantida..kkkk…o resto é detalhe!

segundo passo foi tirar o visto, e sim, eu fui mais ousada, porque deixei pra organizar passaporte + visto depois das passagens compradas. mas deu tudo certo, o visto saiu rápido – não tive nenhum problema nem imprevisto, grazadeus!

o terceiro passo foi planejar todo o roteiro da viagem. eu mergulhei no google maps por dias pra conhecer houston. pesquisei os meios de transporte, a distância de todos os deslocamentos que eu faria na cidade pra todos os lugares que eu queria ir.

essa pesquisa foi fundamental pra entender se valia a pena alugar um carro ou depender de transporte público + uber.

houston é uma cidade imensa e o transporte público não é dos melhores. comparado a nova york, o transporte público é bem ruim. depois de fazer muitas contas e análises, cheguei a conclusão que gastaria mais se dependesse de transporte público + uber, do que alugar um carro.

aluguei um carro, e foi a melhor coisa que fiz!

outra coisa que organizei, e foi a minha primeira vez, foi hospedar em um airbnb.

confesso que fiquei ansiosa, porque tanto em houston como em fort lauderdale (passei uma noite lá pra pegar o vôo de volta pro brasil), fiquei hospedada em casa de famílias.

em houston, eu tinha o meu quarto separado, no fundo da casa. super organizado, com tudo e mais um pouco do necessário. eu não precisava entrar na casa. passava pela garagem pra ter acesso ao meu quarto, e com isso, eu não tive contato nenhum com a família.

meu único contato foi na chegada, com meu host, pra ele me passar a senha de acesso do quarto, mostrar o local, e só. foi muito tranquilo e o host era gente boa.

em fort lauderdale já foi diferente. eu fiquei hospedada em um apartamento de uma família mexicana, e meu quarto era lá dentro mesmo. eu tinha acesso livre ao apê (eles me deram uma chave), mas passei um dia e uma noite convivendo com eles.

fiquei ansiosa nessa hospedagem, por não conhecer a família, mas deu tudo certo. eles também foram super tranquilos, o quarto era ótimo, limpinho, mas confesso que eu prefiro ficar na minha, sem muito contato.

alô introvertidos!

o airbnb foi uma economia e tanto no orçamento da viagem. na época saiu bem mais barato que hotel, e eu fiquei muito bem hospedada.

o meu quarto em houston era completo. tinha geladeira, cafeteira, microondas, e eu conseguia comprar muita coisa no supermercado pra fazer minhas refeições de janta e café da manhã lá mesmo. e eu adorei a experiência porque me senti uma residente em houston.

a única refeição que fazia na rua era o almoço, e em alguns dias, um cafézim no meio da tarde.

acreditem, eu não tomava cafézim todos os dias a tarde.

as refeições em houston que eu comi eram muitoooo bem servidas, e depois que eu almoçava, eu não sentia mais fome. a próxima refeição era só um lanchinho à noite, já no meu quarto.

o que fez a diferença pra minha primeira viagem sozinha ser um sucesso

1. rede de apoio

o que foi fundamental pra que essa viagem sozinha desse certo foi, sem dúvida, a minha rede de apoio, não só pra fazer ela acontecer financeiramente, como também pra ficar com meus filhos e dar apoio pro meu marido.

contei com o meu pai, com a minha mãe e com a minha sogra pra organizar a minha ausência. afinal, foram 12 dias viajando.

já sei que as mães vão me perguntar se eu me senti culpada em deixar meus filhos e como foi ficar 12 dias longe deles.

e a resposta é não! não me senti culpada em momento algum, porque eu precisava muito fazer uma viagem sozinha pra descansar e me conectar comigo mesma, e porque eu sou o tipo de mãe que acredita que o pai que é pai de verdade também cuida dos filhos do mesmo jeito que a mãe.

e grazadeus o pai dos meus filhos é um pai. confio 100% na capacidade dele cuidar dos nossos filhos.

e claro que eu senti muita saudade dos meus filhos, mas em momento nenhum eu sofri ou deixei de aproveitar a viagem por causa de saudade. muito pelo contrário, eu aproveitei muito e acho que eles também aproveitaram a minha ausência pra fortalecer o vínculo com o pai e com a avó.

eu sou daquelas que acha importante demais as crianças viverem realidades diferentes, sair da bolha. faz bem pro desenvolvimento e autonomia delas.

2. planejamento e organização

planejar e organizar eu considero que foram os fatores principais que fizeram com que a minha primeira viagem sozinha fosse um sucesso.

quando eu cheguei em houston, sentia que já conhecia a cidade toda. sabia exatamente pra onde ia e como ia.

por causa disso, não passei nenhum perrengue.

mas assim, eu tracei rota pra TUDO. eu pensei em cada dia da viagem, o que eu queria fazer. criei roteiro pra cada dia. alô virginianismo entrando em ação.

pode parecer exagerado, mas foi meu jeito de garantir – dentro do que estava no meu controle – que não passaria perrengues.

pensei muito na minha segurança e bem-estar. aliás, esses dois podem ser o número 3.

3. priorizar segurança e bem-estar

viajar sozinha é uma coisa, sendo mulher, é outra. eu sei, não deveria ser assim, mas infelizmente o mundo ainda não evoluiu no assunto mulher.

eu fiz todo o planejamento da minha viagem pra evitar situações desagradáveis e fiz algumas escolhas.

uma delas foi não sair à noite. abri mão de conhecer muito lugar e fazer vários passeios? abri! mas me senti mais segura aproveitando o dia, e não a noite.

e quando cheguei em houston, não arrependi de ter feito essa escolha. não achei a cidade muito acolhedora à noite pra uma mulher viajante sozinha.

grazadeus não aconteceu nadica de nada, e a minha viagem foi um sucesso.

lista pra dar o check quando for viajar sozinha

  • antes de definir o roteiro, pesquisar muito sobre o local. se preparar para o que vai encontrar quando chegar lá.
  • planejar todo o roteiro, de cada dia. quanto mais detalhado, melhor – incluir e definir como será seu deslocamento: transporte público? alugar carro? uber?
  • pensar estrategicamente onde ficará hospedada pra facilitar seu roteiro e seu deslocamento. lembra de priorizar bem-estar e segurança.
  • organizar passaporte e visto.
  • fazer seguro viagem e se for alugar carro, seguro do carro.
  • planejar mala pra levar o essencial e não ter peso pra carregar.
  • pensar na comunicação ao chegar lá: vai comprar um chip por lá? se não, já organiza o uso de dados do seu plano pra não ficar na mão com internet e telefone. eu fiquei na mão um dia, e tive que contar com a minha memória fotográfica pra chegar no meu airbnb. deu tudo certo mas passei um aperto. então vale demais comprar um chip pré pago no seu destino – sai mais barato e é garantia de não passar aperto.
  • planejar orçamento – fazer uma previsão de gastos diários, incluindo comprinhas e prever um extra pra qualquer emergência que possa ter.
  • levar os remédios básicos que você pode precisar: pra resfriado, pra febre, pra dor no corpo, e qualquer outro que seja essencial pra você.
  • se estiver indo pra um destino que você não fala a língua, já se preparar e aprender algumas perguntinhas básicas que podem te salvar em momentos específicos, como, aprender a pedir algo pra comer, a pedir um táxi, a pedir uma informação. garantir o google tradutor no celular também ajuda. =D

apesar de ter que fazer todo um planejamento e se organizar direitinho, fazer uma viagem sozinha é uma experiência que eu recomendo demais! se puder, escolha um destino em outro país.

a ideia de viajar sozinha é a gente se conectar com a gente mesma, com a nossa essência e com a nossa liberdade de fazer escolhas e tomar decisões.

quando a gente se expõe sozinha a uma viagem pra um lugar completamente diferente, com outra língua e cultura, a gente vive uma experiência completa de conexão com a nossa essência.

toda a viagem é planejada por nós mesmas, de acordo com as nossas escolhas, e o fracasso e o sucesso dependem 100% das nossas tomadas de decisões. é um super mergulho no autoconhecimento colocado em prática.

além disso, é uma delícia fazer tudo do jeitinho que a gente quer, tendo que agradar somente a nós mesmas. é um ato de liberdade.

vale lembrar que o destino escolhido não deve ter ninguém conhecido morando lá. a ideia é ir pra um lugar onde estaremos sozinhas mesmo.

a gente volta com a autoconfiança e a coragem em dia, e depois de uma experiência dessa, não voltamos mais as mesmas. voltamos muito mais alinhadas com o nosso eu verdadeiro.

se você puder ser dar um presente, vá viajar sozinha!

você já teve essa experiência ou tem vontade de ter? me conta aqui nos comentários.

um abraço,

priscila serato


Descubra mais sobre A Casa Mágicka

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Deixe uma resposta

plugins premium WordPress

Descubra mais sobre A Casa Mágicka

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading